Please reload

Posts Recentes

STF mantém fim da contribuição sindical obrigatória

July 6, 2018

1/4
Please reload

Posts Em Destaque

Gestão estratégica. Entenda porque é importante pensar nisso.

7 Dec 2017

Sobrevivência. Este é o maior objetivo da gestão estratégica nas empresas atualmente. O mercado está cada vez mais competitivo e dinâmico. Todos os dias nos esbarramos com novas barreiras e concorrentes. Por isso precisamos saber lidar com as adversidades, mudanças e as novas tendências. Ou seja, estar preparados!

 

Mas afinal, do que se trata a gestão estratégica? Você sabe como aplicá-la adequadamente ao seu negócio?

 

A gestão estratégica nas empresas é o processo de tomada de decisões que orienta as ações da organização ao longo do tempo. Considerando sua relação com o ambiente ao qual está inserida. Para ser efetivo, ele deve ser planejado, implementado e mensurado. Com objetivo de direcionar o comportamento da organização rumo aos seus objetivos. O o processo de gestão estratégica está vinculado não só a uma análise racional, mas também à criatividade e às transformações sociais.

GESTÃO EMPRESARIAL

 

A gestão empresarial compreende a administração de toda a empresa. Considerando-a um conjunto complexo de áreas e atividades que têm como função levar o empreendimento a atingir seus objetivos estratégicos.

 

Num ambiente cada vez mais dinâmico e competitivo, a capacidade de gerir adequadamente os recursos empresariais a fim de maximizar os resultados é de extrema importância, já que, conforme cresce o acesso a novas tecnologias e modelos de gestão, sobressair-se aos concorrentes se torna mais difícil.

Outro fator que torna a gestão empresarial imprescindível são as constantes mudanças do mercado e as fases econômicas. Crises surgem a todo momento, assim como os períodos de recuperação econômica também se fazem mais frequentes. Assim, as empresas precisam ter flexibilidade e inteligência para aproveitar cada momento com seus prós e contras e dar seguimento às atividades sem perder competitividade.

 

Para gerir adequadamente uma empresa, o líder deve ser capaz de utilizar os recursos disponíveis de forma estratégica, avaliar os riscos inerentes ao negócio e reduzir as incertezas com um pensamento sistêmico e integrado.

Uma das formas de atingir a excelência em gestão empresarial é adotar um modelo de gestão que direcione as ações do empreendimento.

 

GESTÃO DE PESSOAS E RECURSOS HUMANOS

 

As transformações no mundo do trabalho trouxeram diversas mudanças em relação à concepção de gestão de pessoas e recursos humanos. Partimos de uma visão mecanicista, onde os trabalhadores eram percebidos como meros recursos a serem otimizados e substituídos quando necessário, para uma interpretação completamente diversa: pessoas como o verdadeiro diferencial competitivo das organizações.

Essa nova realidade é fruto de muitos estudos e pressões por melhor qualidade de vida e valorização dos trabalhadores. Mas também de uma nova postura das empresas no que tange à gestão do seu capital intelectual.

 

Alguns autores definem a gestão estratégica de pessoas como a total compreensão do ser humano no ambiente de trabalho. Envolvendo disciplinas que vão da gestão estratégica de empresas à psicologia e sociologia.

 

Do ponto de vista organizacional, gerir pessoas de forma estratégica é essencial para alcançar objetos e manter a motivação interna. Além de fortalecer a cultura organizacional e garantir a retenção de talentos. Por este motivo, não se pode pensar em gestão estratégica de pessoas como uma atividade inerente somente ao setor de gestão de pessoas e recursos humanos. Trata-se de uma tarefa de toda a organização, em especial as lideranças. É por meio de uma liderança efetiva que os profissionais envolvidos com a organização se inspiram e motivam, agindo cooperativamente.

GESTÃO DE CUSTOS E VENDAS

 

Por muito tempo a gestão de custos esteve focada apenas na redução dos custos de produção. Visando manter os preços baixos e assim ganhar competitividade no mercado. Entretanto, como a tecnologia avança a passos largos, competir apenas por preços ou focar-se apenas neste aspecto do negócio para se manter na liderança do mercado tornou-se insuficiente.

 

A gestão estratégica de custos impacta em toda a cadeia produtiva da empresa, portanto na gestão estratégica como um todo. Tal avanço se deve ao fato de que gerir custos pode tornar os processos produtivos mais eficientes e com isso elevar a lucratividade do negócio, pois, quando falamos de custos, estamos falando de todos os valores agregados ao produto ou serviço em questão.

A correta gestão de custos reflete também na formação do preço de venda, levando o empreendimento a entender qual é o real valor agregado das suas soluções. Como consequência, tem-se um ciclo de vendas mais ágil e eficiente, tendo-se em vista que produtos e serviços mais competitivos do ponto de vista financeiro são ótimos argumentos para a conversão de clientes.

Note também que a gestão estratégica de custos não pode estar focada apenas no processo produtivo, isto é, relacionada com as soluções propostas ao consumidor final. Ela deve contribuir para a melhoria interna, por meio da otimização de processos e redução de desperdícios.

Por tratar-se de um assunto que envolve toda a empresa, a gestão estratégica de custos deve ser de conhecimento de todos, não apenas da alta gestão. Neste sentido, é fundamental conscientizar sua equipe e transformá-la em aliada nos processos de inovação e mudança organizacional.

GESTÃO DA INFORMAÇÃO

 

As transformações tecnológicas iniciadas com a Revolução da Microeletrônica, em meados de 1960, e o constante avanço das tecnologias da informação e comunicação desde então, têm contribuído muito para a gestão estratégica nas empresas.

Basta analisarmos a tomada de decisão tal como era vinte anos atrás e como é hoje: antes, o feeling dos gestores falava mais alto, bem como a experiência de mercado; hoje, quem dita as regras é o conhecimento ou a capacidade que a empresa tem para coletar, armazenar, processar e interpretar a quantidade gigantesca de dados gerada diariamente.

Ser capaz de analisar tanto o ambiente interno de negócios quanto o externo, vinculado ao mercado e à economia, não é mais opção para nenhuma empresa. É uma obrigação, tendo-se em vista que é preciso antecipar-se a eventos e tendências para manter a competitividade.

Como bem afirma Oliveira em Sistemas de Informação Gerenciais: Estratégias, Táticas, Operacionais, a informação qualificada auxilia no processo decisório, levando a empresa a atingir seus objetivos estratégicos com maior eficácia e precisão. Ela também contribui para gerenciar as variáveis que impactam a atividade empresarial de modo a reduzir as incertezas do negócio e potencializar os resultados esperados.

 

A gestão da informação também é responsável pela geração de valor para os stakeholders da organização, fortalecendo o sentido de inovação e melhoria contínua por meio de dados que revelem as reais necessidades do mercado e como supri-las com maestria.

GESTÃO DE MARKETING

 

O marketing, ou comunicação mercadológica, visa estabelecer uma relação de confiança entre empresa, clientes e consumidores. Pensado desta forma, o marketing é uma atividade essencial a qualquer organização.

 

De um modo geral, costumamos pensar no marketing como uma estratégia de vendas, de fazer com que determinado público perceba a presença dos seus produtos e serviços no mercado. No entanto, ele é bem mais que isso.

 

O marketing só é estratégico se estiver alinhado aos objetivos e metas do negócio. Ele deve contribuir para que a empresa alcance os resultados esperados por meio de ações segmentadas e personalizadas. Sendo assim, ele é o responsável por construir a marca no mercado e despertar percepções positivas acerca da empresa. Além de fortalecer vínculos com públicos prioritários e criar pontos de contato que facilitem o diálogo com uma audiência qualificada. O marketing reduz os esforços de vendas, maximizando os resultados financeiros com a atração e retenção de clientes.

Todo objetivo de marketing deve estar conectado a um objetivo maior, estratégico e vital para a perpetuidade da empresa. Também deve ser específico e mensurável, já que é através do acompanhamento de indicadores de desempenho que se chega a estratégias mais efetivas e rentáveis para a organização.

 

O plano de marketing, isto é, o conjunto de ações a serem desenvolvidas, é consequência de uma mentalidade estratégica anterior. Ele analisa o contexto mercadológico da empresa para então sugerir ações que possam melhorar o seu posicionamento.

Uma empresa sem um bom planejamento de marketing está fadada a sumir entre tantos concorrentes. Além de perder posicionamento de mercado e oportunidades de vendas. Portanto, nunca deixe o marketing da sua empresa de lado. É ele quem garante que os clientes e consumidores cheguem até você.

FONTE: siteware.com.br